quinta-feira, 19 de maio de 2011

Fim de encontro: pra salvar o coração...

Vi um vídeo agora que me lembrou fim de encontrão.

Quem viveu fim de encontrão sabe do que estou falando...
O Encontro em questão é com Cristo.
Tem um significado religioso.
Mas não digo que tenha sido porque a música fala em oração que me lembrou fim de encontrão.

Na verdade, o sentido do que falo não é religioso. Embora possa ser considerado.
Porque, a meu ver, Deus está na alegria. No amor.
Mas não quero que isso se torne mensagem religiosa.
Não quero falar apenas pra quem acredita.
Porque o sentido real do fim de encontrão é outro.

Fim de encontrão é a emoção.
Uma emoção boa...
Uma vontade de beijar postes, de abraçar o inimigo, de dizer ao amigo do lado o quanto ele é importante. É a sensação do bêbado... Sem a necessidade do álcool.
É a alegria da partilha.
É uma alegria maior só por estar vivo.
É a alegria de ser vida.

E acho que muitas outras coisas podem gerar essa alegria.
Não é só o fim do encontrão.
O vídeo, a música, a festa dos músicos me passaram um pouco disso.

Todos os dias poderiam ser assim.
Mas a emoção diminuiria...
E é por ser uma sensação rara que se torna boa.
Não vira cotidiana.

O importante, acho eu, é não deixar a emoção ser esquecida.
E buscar, aproveitando os momentos que são de fim de encontro.
Pra, é claro, salvar o coração!



O início é morno...
E a música repete.
Mas vai ficando melhor, melhor...
Vejam até o fim.
Que o fim do encontro está lá.

7 comentários:

Fêr disse...

Obrigada! Depois de ouvir 4 vezes a musica e ler seu post to totalmente em clima "beija-poste"!
Te amo, amigo...
beijo grande
Fer

Ludmila disse...

Alan, nunca fiz parte de Encontros, nem católica sou, mas tive a grande chance de ir um dia à Bethania e foi inesquecível. Incrível mesmo poder dedicar algumas horas do meu dia àqueles idosinhos tão carentes de carinho. Mexeu muito comigo, mas me senti uma pessoa melhor. Acho que essa é a magia da solidariedade, poder se sentir mais gente, sentir que se fez pouco, mas que esse pouco não foi em vão.

Quero finalizar dizendo que me identifico muito com as coisas que vc escreve e sente. Bjs!

clarissa disse...

Adorei, Alan. Deu vontade de ser jovem, ter um monte de amigo bacana, saber tocar um instrumento e morar naquela casa legal. E de beijar postes!

Boo disse...

chorei, óbvio... prq quero aquilo, não quero ser "gente grde", quero aquela equipe, quero de volta todo o tempo do mundo...
mas tb quero olhar pras lembranças,que me fazem ser grata por tudo que vivi, pelo qto fui feliz, pelo qto coube no meu coração...
e viva nóis...

Gina Braga disse...

Lindo o post e lindo o vídeo...Sem nem mesmo ter vivido os encontros, é como se eu estivesse lá....

211181 disse...

Alan,
eu assisti o vídeo antes de ler o post, mas agora vc me fez ver o vídeo por uma outra perspectiva. De fato me fez lembrar esse momento "fim de encontrão"...apesar de repetitiva, vista desse ponto, da alegria, de comemorar mais um trabalho de entrega, de por momentos todos parecerem "perfeitos na sua imperfeição", se torna um momento gostoso.
Valeu por isso!!
bjo

Anônimo disse...

não saiu o nome...rs
o comentário acima é meu, Tati Almeida